Crescimento do setor de hortifruti brasileiro durante a pandemia
02/09/2020

Crescimento do setor de hortifruti brasileiro durante a pandemia

Veja como o setor de hortifruti superou a crise e conseguiu crescer durante a pandemia

Muitos não contavam com uma pandemia como a que está ocorrendo com o Covid-19, muitos setores tiveram que pensar em maneiras de se reinventar e se adaptar às novas normas de saúde para continuar operando, inclusive o setor de Hortifruti que precisou fazer algumas mudanças para se manter perene e ainda conseguiu um crescimento de 20%. 

Neste artigo abordaremos os meios utilizados pelo setor de frutas e hortaliças para se adaptar ao novo mercado e superar a crise. Então, se você deseja saber mais sobre o assunto continue conosco nesta pauta.


As mudanças no mercado

Junto com a pandemia veio a preocupação com a crise que abalou vários setores, além das novas normas de funcionamento, nas quais os produtores precisaram se adaptar rapidamente para conseguir proteger seus colaboradores e a sua produção. Foi quando começaram a aparecer mudanças no comportamento do consumidor, que se tornou mais seletivo com o que consome. Segundo uma pesquisa do Produce Marketing Association no Brasil (PMA Brasil), 71% dos consumidores estavam preocupados com a validade dos produtos, enquanto 80% estavam preocupados com a segurança dos alimentos. Esta avaliação do cenário atual foi de suma importância para desenvolver a nova estratégia de ação dos produtores hortícolas. 

Entretanto, mesmo com as preocupações vieram grandes oportunidades, afinal, a demanda por alimentos sempre irá existir. O grande desafio estava em como atender essa demanda e a solução para isto estava nos consumidores, no e-commerce, nas inovações tecnológicas para otimizar a produção e nas operações logísticas.



A nova estratégia de ação 

Os hábitos de compra desenvolvidos pelos consumidores durante a pandemia, tornaram-se uma grande oportunidade e um desafio para os produtores, pois a maioria das pessoas começou a comprar online, principalmente, por meio de aplicativos, fazendo este segmento crescer 107% na última semana de março, segundo a Associação Paulista dos Supermercados (Apas). Esta revolução digital auxiliou o contato do produtor com o consumidor final, a partir da criação do e-commerce, onde o cliente pode adquirir seus produtos direto dos produtores. O único desafio foi garantir que os consumidores receberiam aquilo que compraram sem maiores problemas, afinal esta categoria de produto possui variações de validade, mas com o sistema de logística já consolidado no país, tudo isso se tornou possível.

Outro fator que ajudou muito a atender a crescente demanda de alimentos foi a utilização da tecnologia para maximizar a produção, fazendo uso de maquinários e, principalmente, bioestimulantes para melhorar a qualidade e aproveitamento da safra. Isto foi muito conveniente para os pequenos produtores e os produtores familiares, que foram de grande ajuda para suprir as demandas de alimentos pelo país, aliando-se a grandes empresas como a Comper, abastecendo suas unidades com frutas, legumes e verduras de qualidade. 

Pelo que pudemos ver, esta pandemia trouxe muitos desafios e oportunidades para o setor de hortifruti, pois a procura por alimentos saudáveis aumentou, já que os brasileiros estão optando por fazer as suas próprias refeições ao invés de pedir em restaurantes ou fast foods. Para suprir a demanda, foi necessária a aliança dos produtores, empresas e o desenvolvimento do e-commerce, que nas palavras de Thiago Picolo, CEO do Hortifruti Natural da Terra, fez com que o comércio do hortifruti evoluísse 10 anos em 10 semanas. Além disso, com o advento da tecnologia foi possível maximizar a produção o que ajudou muitos produtores. Tudo isto nos mostra que é preciso se reinventar para superar a crise, mas os resultados podem ser muito mais satisfatórios do que imaginado inicialmente, já que um novo “normal” vem sendo desenvolvido e as pessoas têm se adaptado à nova cultura. 


Compartilhe:

Subir